DICAS DA DIVA DA ALIMENTAÇÃO INTELIGENTE

Vou compartilhar com vocês hoje sobre minha experiência com os cosméticos naturais morando na cidade grande. Nesses 3 anos em que modifiquei meu estilo de vida para um bem ativo, pegando sol diariamente, bebendo bastante água, procurando dormir as horas necessárias para meu corpo descansar, dormir cedo, acordar cedo, estar maior contato com a natureza e retornei à dieta alimentar que acredito ser a do ser humano, me alimentando de muitas frutas cruas e maduras, verduras também em grande quantidade e vegetais crus como complemento e algumas poucas nozes e castanhas e sementes cruas, percebi uma enorme diferença na qualidade da minha pele, no meu cabelo, nas minha unhas, no meu bronzeado, na hidratação do meu corpo e muito mais. Realmente, quando melhoramos a alimentação ajudamos muito o corpo na sua limpeza diária e hidratação. Frutas e vegetais são riquíssimos em água, são alimentos solares, contém muitas vitaminas e minerais e são o combustível perfeito para o bom funcionamento do corpo humano. Sabendo COMO se alimentar, você só tem benefícios.

Malu Paes Leme e sua pele incrível!
Porém, vamos à questão da dificuldade de se morar numa cidade grande onde a água é péssima, cheia de metais pesados, cloro e muito mais; onde a água que se bebe nem sempre é da melhor qualidade, e da fonte; onde fica-se muito em contato com poluição, refrigeração artificial e outras coisas que ajudam a nos intoxicar de alguma forma. Isso eu também sinto aqui no Rio de Janeiro, e mesmo com uma alimentação que me ajuda muito a limpar toxinas, me manter em homeostase, em equilíbrio, ainda é preciso fazer muito mais. É, são nossos desafios como seres urbanóides. Por isso, encontrei nos cosméticos naturais feitos em casa ou comprados de empresas orgânicas, que não fazem testes em animais e utilizam o máximo de ingredientes naturais uma solução para ajudar na beleza natural.

Comecei parando de utilizar shampoo (como bem coloquei neste post), e fazendo minhas alternativas, deixando meu cabelo se desviciar bastante até que comecei a sentir necessidade de utilizar alguma versão de shampoo para ajudar a mantê-lo mais bonito. Mas claro, fui em busca da alternativa mais natural possível. Encontrei um bom shampoo de um empresa muito conhecida e respeitada mundo afora: a Welleda. Comprei um shampoo para crianças, por ser mais natural ainda, e ele ainda serve como sabonete. Ótima opção para mim, pois só utilizo sabonete nas partes íntimas, nas axilas, pés, pescoço e rosto. Então quer dizer, vai durar MUITO! Hoje só utilizo uma vez a cada semana para retirar um excesso de oleosidade que acontece - acredito muito ser devido à qualidade da água. O resto dos dias, só uso água, babosa liquidificada com água filtrada ou água de coco, e óleo de hortelã misturado com um pouco d´água nas pontas do cabelo.

O importante é nos conscientizarmos dos malefícios que causa em nosso corpo a utilização frequente e diária de muitos cosméticos industrializados e cheios de químicas, que só originam toxidade para nosso organismo e vão debilitando nossa saúde ao poucos. O que vale é tentar, é ajudar o corpo a se desviciar ao máximo, e buscar por outras alternativas naturais. E o mais importante - como não poderia deixar de comentar - é modificar sua alimentação e estilo de vida, torná-lo também mais natural, pois assim fica muito mais fácil e prazeroso causar o mínímo de impacto no seu corpo e no meio ambiente em que se vive. Aumente seu consumo de frutas e vegetais crus!!! Deixo aqui uma receita de máscara hidratante para a pele para fazer em casa, que pode ser usado na ponta dos cabelos também! :) 

1/2 pepino sem casca
1/2 abacate pequeno maduro
1 tira de babosa (aloe vera) - só o gel

Liquidifique e passe na pele. Deixe agir por 10-30 minutos, depois enxague.

Por Malu Paes Leme, chef e pesquisadora do Veganismo e Frugivorismo, autora do livro Alimentação Inteligente, ministra cursos e palestras sobre Alimentação Natural e Estilo de Vida Saudável. Para saber mais, visite o blog Alimentação Inteligente. 

PROJETO VERÃO 2012

Foto: ©Paulo Fabre
Essa semana chega a primavera... e antes que nos dermos conta, o verão! Será que estamos em condições de colocar um biquíni? No inverno, a tendência é ingerirmos mais calorias, nos exercitar menos e usar mais roupa, e só depois nos damos conta do estrago. Todo ano as brasileiras, super vaidosas, começam o “projeto verão” mais ou menos nessa época do ano, porque é preciso no mínimo uns 3 meses para ver os resultados de uma dieta e exercícios físicos. É claro que o ideal é se cuidar o ano inteiro, por questões de saúde e bem-estar, mas não vamos nos enganar, nem sempre fazemos isso, e é o lado estético que mais nos motiva. Esse ano tenho notado um certo efeito “Medida Certa”, o quadro no fantástico que acompanhou o processo dos apresentadores Renata Ceribelli e Zeca Camargo na busca do emagrecimento. Acho que as pessoas estão começando a entender que não tem milagre, é preciso mesmo mudar os hábitos, o que significa se alimentar melhor e fazer exercícios físicos. Fiquei impressionada como isto tem motivado as pessoas, inclusive com as caminhadas e a presença dos jornalistas em diversas cidades do Brasil, mobilizando milhares de pessoas.

Hoje em dia o cardápio de atividades nas academias de ginástica é extenso, são literalmente centenas de variedades, para todos os gostos. Há desde as tradicionais aulas de aeróbica, running, spinning, musculação e alongamento até as mais criativas e diferentes, como o kickboxing, jump, hip-hop, dança do ventre, zouk, dentre outras. Pilates e Yoga, antes feitos apenas em estúdios especializados se popularizaram, e estão também nas academias. Mas e quem não gosta de malhar em espaços fechados? Andar de bicicleta é uma dos exercícios mais lúdicos e relaxantes que conheço, não dá para ficar de mau humor pedalando num dia bonito. Andar de patins e skate também é muito divertido. Natação é um dos esportes mais completos, e uma delícia no calor, assim como a hidroginástica. O kite surf vêm ganhando cada vez mais adeptos entre as mulheres, assim como o SUP (Stand-Up-Paddle) que promete ser o esporte mais quente desse verão. E se tiver alguma limitação de saúde, caminhar, a atividade mais simples e básica de todas, é sempre uma boa solução. São tantas opções, que não temos mais como usar a desculpa de que não gostamos de fazer exercício. É apenas uma questão de experimentar coisas diferentes até achar o que mais se encaixa com o seu corpo e a sua personalidade - o importante é se mexer - porque afinal, todas queremos passar no teste da praia.

SALÃO DE BELEZA VERDE



Seguindo a nova tendência dos salões nos EUA e Europa, a empresária Viviane Guillaume e o maquiador e hair stylist Charles Santos se preocuparam com a sustentabilidade na hora de abrir o seu negócio, um espaço de beleza em Ipanema. A marcernaria é toda de madeira reciclada, e a iluminação feita com lâmpadas LED. No lugar de sacolas plásticas, ecobags fofas, de material reciclado com a logomarca do estúdio, foram feitas especialmente para levar os produtos vendidos no salão. As marcas de cosméticos usadas nas clientes é que ainda não são verdes, mas Viviane prometeu olhar o assunto com carinho e trazer novidades em breve. Ah, e também não se faz progressiva lá, pode ir sem medo de ficar respirando formol.

Mas o que mais me chamou a atenção foi a iniciativa de implementar um programa de coleta seletiva do lixo. As clientes são incentivadas a trazer os frascos de cosméticos usados de casa, para descartar por lá. As embalagens e resíduos produzidos são doados para a Coopama, uma  associação de catadores de lixo na Zona Norte do Rio, e beneficiam 64 cooperados, comandados por Wellington Meirelles. A Coopama por sua vez desenvolve programas para promover atividades educacionais e culturais com crianças e mulheres na comunidade de Maria da Graça. Quem sabe outros estabelecimentos poderiam adotar o exemplo? Considerando a quantidade de salões pelo Brasil afora, isto poderia fazer uma boa diferença no impacto socioambiental do país. 

Studio Chales Santos e Vivi Guillaume – Rua Visconde de Pirajá, 580 loja 312. Tel 2113-9567/2113-9542. Abre de terça a sábado, das 10hs as 20hs.

OS RISCOS DOS PRODUTOS DE BELEZA


Se você está lendo este artigo neste blog é por que se preocupa não só com a estética, mas com sua saúde. E é óbvio que você em suas andanças pela internet já leu ou recebeu informações sobre a toxicidade de alguns produtos de beleza. E é também muito provável que tenha ficado confusa com informações frequentemente desencontradas. Vou tentar colocar ordem na casa apresentando um panorama sobre os cosméticos, e o que parece ser consenso entre os especialistas em saúde. Mas antes de tudo, mesmo os textos alarmistas, contendo alguns exageros, estão certos num aspecto: os cosméticos são uma das principais fontes de contaminação por toxinas a que as pessoas se submetem, dia após dia. Mesmo que seus produtos sejam comprados em lojas “naturais” ou tragam em seus rótulos qualquer outro título fruto do marketing verde. Aprender a se proteger pode fazer toda a diferença, até porque é sempre bom lembrar que o maior órgão do corpo humano é a pele.

Aos questionamentos sobre a segurança do uso de certas substâncias tóxicas, a indústria de higiene pessoal geralmente se defende dizendo que elas são usadas em pequenas quantidades e que não causariam problemas maiores. Na verdade, apesar de estarem realmente em pequenas quantidades, fica cada vez mais claro que sua toxicidade ocorre por dois fatores concomitantes: uso cotidiano e efeito sinérgico. Produtos de beleza são usados de forma contínua, todos os dias, isto é: xampus, cremes, maquiagem, hidratantes etc. Isto significa que você usa em seu corpo produtos que contém toxinas em pequenas quantidades, mas que vão se acumulando progressivamente.

Seu corpo possui uma maquinaria enzimática que foi desenvolvida ao longo de milhões de anos, baseado no tipo de substâncias que entramos em contato ao longo de nossa história na Terra. Só que o desenvolvimento da indústria química atual nos faz entrar em contato com substâncias que nunca existiram antes e que não existem na natureza. Se não são adequadamente metabolizadas e eliminadas, acabam se acumulando em nosso corpo. E é esse efeito cumulativo que traz riscos potenciais. A outra questão envolvida é que a máxima de que “o todo é maior do que a soma das partes” cabe bem aqui. O corpo pode até conseguir lidar com pequenas quantidades de uma toxina, mas um produto de beleza contém muitas “pequenas quantidades” juntas. E uma acaba por potencializar o efeito tóxico da outra, daí o efeito sinérgico.

Sim, minha amiga – digo amiga, pois os homens sofrem também, mas em menor proporção. Não sei por vocês, mas imaginem uma criança que pinta as unhas ou usa maquiagem: com que idade ela começa a usar produtos de maquiagem e beleza? 14, 15, 18, 20? Não importa quando comece, mas agora pense comigo: quando ela irá para de usar estes produtos? 60, 70, 80, 90? É uma vida inteira acumulando “pequenas” quantidades de inúmeros produtos químicos. Esta é a razão principal deste artigo: alertá-la para que possa se defender e minimizar a exposição às toxinas e outras substâncias.



Por Dr. Carlos Braghini Jr., especialista em quiropraxia e autor do livro Ecologia Celular.