10 RAZÕES PARA USAR COSMÉTICOS ORGÂNICOS

1) A pele é o maior órgão do corpo e tudo o que você passa nela acaba na sua corrente sanguínea

2) Eles contêm menos ingredientes sintéticos que possam agredir a pele, como corantes e conservantes.

3) Produtos feitos com ativos naturais, óleos vegetais e essenciais não agridem sua saúde, e são melhor absorvidos pela pele.

4) Uma pessoa chega a ser exposta a 168 substâncias químicas diferentes todos os dias presentes nos cosméticos convencionais.

5) Apenas 10% das 80,000 substâncias químicas catalogadas na indústria de higiene pessoal foram testadas para a segurança de uso em humanos.

6) Os governos não regulam de forma efetiva a maioria das substâncias potencialmente tóxicas usadas na indústria de cosméticos.

7) Há inúmeros estudos ligando a exposição a toxinas químicas ao aumento da infertilidade, problemas hormonais, câncer e outras doenças.

8) Comprando produtos de empresas comprometidas com a preservação do meio ambiente e a estrutura do comércio justo, você contribui para uma economia mais sustentável.

9) Usando produtos naturais e biodegradáveis você melhora a qualidade do esgoto, contaminando e poluindo menos os lençóis freáticos e a água dos oceanos.

10) Se você ama os seus bichinhos, provavelmente não vai querer usar produtos testados em animais!


LANÇAMENTO: NOVA LOJA BELEZA ORGÂNICA!



Queridos leitores, 

Estamos super empolgados para dividir essa última novidade com vocês! Está sendo lançada hoje a nova Loja Beleza Orgânica, dentro da nossa página do Facebook! Isso mesmo, dentro do Facebook, o f-commerce é a mais nova tendência nas vendas online. Agora, além de acompanhar as matérias e dicas de beleza aqui no blog e nas redes sociais, vocês podem também comprar produtos cuidadosamente selecionados, todos naturais e/ou orgânicos, sem as químicas nocivas sobre as quais alertamos vocês - parabenos, fragrâncias e corantes artificiais, derivados do petróleo, etc. Nenhum dos produtos é testado em animais, e a maioria é certificado por entidades conhecidas para garantir a qualidade. Contamos com vocês para nos ajudar a divulgar hein!? Então, o que está esperando? Venha logo conhecer, clique AQUI!

Equipe Beleza Orgânica

COPO MENSTRUAL: CONHEÇA O MOON CUP

Foto Divulgação Moon Cup
Uma novidade no mercado feminino brasileiro pode causar asco à primeira vista, mas é um meio sustentável e econômico de enfrentar os dias de menstruação. O copo de silicone para o ciclo menstrual já é bem difundido na Europa e EUA, agora, chega às prateleiras das farmácias do Brasil. Trata-se de um recipiente maleável, com capacidade para 25 ml ou 30 ml e que pode ser usado por anos, se tomado os devidos cuidados de higiene.
Ao pensar que mais de 12 bilhões de absorventes são descartados anualmente e levam cerca de cem anos para desaparecer da natureza, ou que só na América do Norte existe, hoje, 85 milhões de mulheres com o ciclo menstrual ativo, a proposta parece válida. O copo para menstruação tem a expectativa de dez anos de vida. "Em comparação com os absorventes internos descartáveis, o copinho perde em praticidade. Por outro lado, gera menos resíduo", comparou o ginecologista diretor da Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia, Luciano Pompei.
O absorvente interno comum vem em uma embalagem, é fininho, dá para guardar na bolsa e na troca basta jogar fora o usado e colocar um novo. No caso do copinho, a mulher vai precisar estar em um lugar com água e sabão neutro, para que possa higienizar o produto antes da reutilização.
O copo deve ser trocado a cada oito horas, de acordo com o fluxo sanguíneo da mulher. "A menstruação da mulher varia de 30 ml a 100 ml, somados todos os dias do período, então um copinho com 30 ml é suficiente para conter o sangramento no período indicado pelo fabricante", explicou Pompei. "Se a mulher menstruar 15 ml em 24 horas, são cerca 5 ml a cada oito horas", disse ele. De acordo com o ginecologista e diretor clínico da Mae - Medicina e Acompanhamento Especializado para Saúde da Mulher -, Alfonso Massaguer, mulheres virgens ou com má formação vaginal, que dificulte a introdução do produto, devem preferir absorventes externos para evitar lesões na vagina.

Por Thaís Sabino, fonte: Portal Terra Seção Mulher. Para ler a matéria na íntegra, clique aqui.

COSMÉTICOS ECOLOGICAMENTE CORRETOS


Fonte: Estilo UOL

A onda verde tomou conta pra valer do mundo dos cosméticos. Não faltam apelos para apresentar ao consumidor produtos cuja formulação tem o máximo possível de ingredientes naturais, e mais ainda, vegetais, matéria-prima orgânica e frutos e sementes de árvores de cultivo sustentável, sem contar o aspecto sócio-econômico relacionado à reciclagem e cultivo de espécies regionais, que geram emprego.

No entanto ainda não existe no Brasil uma legislação sobre normas consensuais a respeito do que são os cosméticos ecológicos. Por enquanto os referenciais de certificação são determinados por propostas privadas das empresas certificadoras. “Esses referenciais geralmente são construídos por todos os setores envolvidos na indústria, como empresas do ramo, profissionais da área e o consumidor”, explica Luiz Mazzon, diretor da Ecocert Brasil, que tem matriz na França e é considerada a maior rede de empresas certificadoras de produtos orgânicos do planeta. “As certificações adotadas atualmente em produtos cosméticos no mundo não são contempladas na legislação de nenhum país. Os “fiscais” do uso correto destes selos certificadores são as entidades que congregam consumidores e os órgãos que regulam a propaganda, no Brasil um deles é o Conar (Conselho Nacional de Autorregulamentação Publicitária)”, destaca o farmacêutico Emiro Khury, diretor técnico da Sociedade Brasileira de Cosmetologia e consultor de empresas de cosméticos que certificam seus produtos.

Hoje não há um órgão fiscalizador global ou mundial, com premissas universais, que regule os critérios dos referenciais privados, mas parece que isso já não é algo tão distante. “No momento está acontecendo uma discussão mundial sobre as bases a serem respeitadas para a certificação de cosméticos orgânicos e naturais, mas não há prazo definido para as conclusões dessa discussão”, ressalta Luiz Mazzon. Em tempo: na Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) não existe regulamentação para cosméticos orgânicos ou naturais, assim como também não há regulamentação para as empresas que utilizam ingredientes orgânicos em seus produtos, mas a agência começa a discutir o tema com as áreas envolvidas. “Atualmente há um grupo de trabalho formado pelo Ministério da Agricultura, Anvisa, ABIHPEC e Associação Brasileira de Cosmetologia, empresas do ramo e certificadoras para criar a Instrução Normativa para Cosméticos Orgânicos, que vai ser a base para a regulamentação do setor no Brasil”, informa Luiz Mazzon.

Por Isabela Leal - Fonte: Estilo UOL. Leia a matéria na íntegra clicando aqui.

ERROS NO USO DO PROTETOR SOLAR


Um erro comum no uso de protetor solar é achar que é necessário usar um FPS (fator de proteção solar) elevado para se proteger adequadamente. Um FPS 15 absorve 93,3% dos raios UVB, enquanto um FPS 30, 96,7%, e um FPS 50, 98%. O FPS dobrou e mais do que triplicou, mas o índice de absorção aumentou apenas 3,4 e 4,7 pontos percentuais, respectivamente.

Outro erro é passar protetor solar antes de sair de casa. Na verdade, você precisa de pelo menos 20 minutos de sol sem proteção para produzir vitamina D. O correto, portanto, é ficar exposto ao sol até que a pele comece a ficar vermelha, para só então, aplicar a proteção.

E você acha que terminou a comédia de erros? Não! Eis mais uma recomendação que poucos fazem: assim que você volta do passeio ao sol, não deveria tomar banho. Quer dizer, pelo menos, não deve aplicar sabão no corpo. Como a vitamina D é produzida pela pele e é lipossolúvel, ela necessita daquela camada de óleo para ser absorvida adequadamente. 

Por isso, vai aqui minha sugestão: tome um banho não muito quente e não passe sabão ou esfregue a pele antes de 12 horas. Lave apenas as partes íntimas e evite esfregar a toalha vigorosamente. Pode parecer estranho, mas sua saúde agradece.

Por Dr. Carlos Braghini, especialista em quiropraxia e autor do livro Ecologia Celular